Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Natal SAPO Moçambique


Terça-feira, 29.12.09

1 de Janeiro - Dia Mundial da Paz e da Fraternidade Universal

                                                           
                                       
1 de Janeiro é o 1º dia do ano no calendário gregoriano. Esta data é o Dia Mundial da Paz e da Fraternidade Universal.  É um feriado internacional, adoptado por quase todas as nações do planeta.
 

Neste dia, as pessoas trocam votos de Alegria, de Paz e de Felicidade para o ano que se inicia. Tradicionalmente há uma vigília na noite de 31 de Dezembro. Comemora-se com muita festa a passagem do ano. Este dia foi criado, em 1968, pelo Papa Paulo VI para que fosse celebrado pelos verdadeiros amigos da Paz, independente de credo, etnia, posição social ou econômica.

 
Fonte: saber.sapo.mz/
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexta-feira, 25.12.09

Presépios no Mundo

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quarta-feira, 16.12.09

Pai Natal - Festa das Crianças

Veja todas as fotos AQUI

 

No dia 13 de Dezembro, á hora do almoço, uma enorme multidão – composta essencialmente por crianças – encheu a Guebuza Square, a praça central de Maputo, para ver chegar o Pai Natal de helicóptero e carregado de presentes. 

Á sua chegada, o senhor das “barbas brancas” tinha já  á sua espera muitas crianças suas fãs que ostentavam a mesma fatiota, Mohamed Bachir Sulemeine, dono do empreendimento e, ainda, a banda da Polícia da República de Moçambique (PRM).

“No âmbito da responsabilidade social do Grupo MBS, esta é a melhor prenda que o MBS pode dar ás nossas crianças. É a terceira vez que temos esta iniciativa”, referiu Bachir que aproveitou para agradecer aos demais patrocinadores da iniciativa banco BCI, Mcel e Coca-Cola e prometeu que a acção será para continuar nos próximos anos.

O Pai Natal, após cumprimentar as crianças e deixar-se fotografar com elas, procedeu à entrega de presentes que trazia consigo num grande saco vermelho. 

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexta-feira, 04.12.09

A árvore de natal como a conhecemos hoje

Entre as várias versões sobre a procedência da árvore de Natal, a maioria delas indica a Alemanha como país de origem. É atribuída a novidade ao padre Martinho Lutero (1483-1546), autor da Reforma Protestante no século XVI, que, olhando para o céu através de uns pinheiros que cercavam a trilha viu-o intensamente estrelado parecendo-lhe um colar de diamantes encimado na copa das árvores.

Tomado pela beleza daquilo, decidiu arrancar um galho para levar para casa. Entusiasmado, colocou o pequeno pinheiro num vaso com terra e, chamando a esposa e os filhos, decorou-o com pequenas velas acesas afincadas nas pontas dos ramos. Arranjou papéis coloridos para enfeitá-lo mais um pouco.

Todos ficaram pasmos ao verem aquela árvore iluminada a quem parecia terem dado vida. Nascia assim a árvore de Natal. Lutero queria, desta forma mostrar às crianças como deveria ser o céu na noite do nascimento de Cristo.

  

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quinta-feira, 03.12.09

A História do Pai Natal

Nos países nórdicos (Europa) era habitual, durante a quadra natalícia, alguém vestir-se com peles e representar o "Inverno". Essa figura visitava as casas e ofereciam-lhe bebidas e comidas, pois acreditavam que se o tratassem bem a sorte iria abençoar a casa.

Mais tarde, o Pai Natal, velhote, boémio, alegre e robusto, foi associado à figura de São Nicolau.

Este bispo turco teve um percurso característico, tendo ajudado os pobres e as crianças, oferecendo-lhes presentes e dinheiro. A sua generosidade deu origem à lenda segundo a qual ele visitaria a casa das crianças no dia 6 de Dezembro para lhes deixar presentes.

Mais tarde, as duas figuras foram associadas, embora apenas no século XIX tenha surgido uma imagem definida do Pai Natal.

O norte-americano Clement Moore escreveu um poema em 1822 intitulado «Uma Visita de São Nicolau» em que descrevia em pormenor a figura e desde então tem sido essa a imagem utilizada: um velhote gordinho e alegre, que se desloca num trenó puxado por oito renas e entra nas casas pela chaminé.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quinta-feira, 26.11.09

Os três Reis Magos

A 6 de Janeiro celebra-se a adoração dos Três Reis Magos, Gaspar, Baltazar e Melchior que, guiados por uma estrela brilhante, levaram os seus presentes ao Menino que acabava de nascer.

A origem da Comemoração do Dia de Reis leva-nos há muito tempo atrás.

 Segundo a primitiva liturgia, no dia 6 de Janeiro celebrava-se a comemoração do Natal, da Epifania ou manifestação de Deus, o Baptismo de Jesus e o milagre das Bodas de Canaã.

Só a partir do séc. V é que a adoração dos Reis Magos começou a ser celebrada no Ocidente. Foi também nessa altura que se decidiu separar a Epifania do Natal, que passou para o dia 25 de Dezembro.

Inicialmente, os Reis Magos eram representados quase sempre por dois, quatro ou seis personagens e unicamente como magos. O número três só ficou estabelecido a partir do séc. IV.

Os nomes pelos quais hoje são conhecidos surgiram apenas um século depois e até o século VI não se encontram registos do título de reis.

No séc. XVI foi introduzido o traço racial, aparecendo pela primeira vez um Baltazar preto.

Os três reis foram identificados como Sem, Cam e Jafé, os três filhos de Noé, que segundo o Antigo Testamento, representavam as três raças que povoavam o mundo.

Desta forma, Melchior, o ancião de cabelos brancos, simboliza os herdeiros de Jafé, os europeus que oferecem ao Menino Jesus um presente de ouro que testemunha a sua realeza.

O louro e jovem Gaspar representa os semitas da Ásia, cujo bem mais apreciado é o incenso, símbolo da sua divindade, e Baltazar, negro e com barba, identifica-se com os filhos de Cam, os africanos, que entregam a mirra, em alusão à paixão e ressurreição.

A Bíblia relata como uma estrela guiou os três Reis Magos desde o Oriente e indicou o lugar onde se encontrava o Menino Jesus ao deter-se sobre o presépio.

Muitas são as teorias que tentam explicar este milagre.

Entre elas, está a de que se tratava do brilhante planeta Vénus, da passagem dos cometas Halley ou Hale-Bopp, de uma supernova, uma ocultação da Lua...

Uma das hipóteses mais aceites foi a proposta por Johannes Kleper em 1606.

Segundo este astrónomo, tratar-se-ia de uma rara tripla conjugação da Terra com os planetas Júpiter e Saturno, passando o Sol nesse momento por Peixes.

Esta conjugação apresenta-se aos olhos do observador terrestre como uma só estrela muito brilhante.
Outra hipótese mais recente é a de que se tratava de uma nova estrela brilhante observada próxima da estrela Theta Aquilae.
A estrela de Belém é relembrada situando-a tanto na representação do presépio como na ponta da árvore de Natal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quinta-feira, 26.11.09

Origem das tradições de Natal

As origens de muitas tradições que caracterizam as celebrações modernas do Natal perdem-se nos tempos, mas é possível identificar algumas raízes pagãs e romanas da festa católica do Natal.

 Os povos primitivos tinham rituais marcados pelas estações do ano e em Dezembro era a altura do solstício de Inverno, ou seja, o período mais frio do ano chegava a meio e, a partir daí, os dias ficam maiores e mais quentes. Para comemorar essa data, era organizada uma grande festa que poderia durar vários meses. Os países nórdicos vieram acrescentar alguns traços importantes a essa celebração como a figura do Pai Natal, cujas origens remontam a esse período. 

A influência dos romanos faz-se sentir através de outra celebração em honra do deus romano Saturno, cujas festas eram um dos pontos altos do ano. A bebida, a comida e os divertimentos abundantes caracterizavam este período em que os rigores do Inverno eram esquecidos por alguns dias.

A celebração religiosa do Natal só foi iniciada no século IV quando o Papa Júlio I levou a cabo um estudo exaustivo sobre a data de nascimento de Jesus Cristo e acabou por estabelecer oficialmente o dia 25 de Dezembro para as comemorações. Posteriormente, outras celebrações que tinham por base rituais pagãos ou romanos foram adoptadas e transformadas para se inserirem no âmbito das comemorações cristãs.

Uma das tradições mais marcantes do Natal é a Árvore de Natal. O culto da natureza dos tempos pagãos está sem dúvida na origem da celebração da árvore, embora esta só tenha sido adoptada oficialmente para as celebrações na Alemanha em 1539. Mais tarde, a árvore passou para todo o mundo, principalmente através dos casamentos celebrados entre famílias reais e que levaram a uma propagação do costume a outros países europeus e depois ao resto do mundo através da colonização.

O elemento religioso foi introduzido através da escolha de motivos piedosos para a decoração das árvores como as velas (actualmente luzes eléctricas), os anjos e a estrela, que é costume colocar no topo e representa a Estrela de Belém que terá guiado os Reis Magos. Na maioria dos países, a árvore utilizada é um abeto, uma árvore de folha perene que se mantém viçosa no Inverno, mas, em Portugal, por exemplo, o pinheiro é mais usado por ser mais vulgar no tipo de clima do país.

O Pai Natal é uma figura importante em qualquer celebração de Natal e a sua origem é bastante antiga. Nos países nórdicos, era costume alguém vestir-se com peles e representar o "Inverno". Essa figura visitava as casas e ofereciam-lhe bebidas e comida, pois acreditavam que se o tratassem bem a sorte iria abençoar a casa. Mais tarde, o Pai Natal, velhote, boémio, alegre e robusto foi associado à figura de São Nicolau. Este bispo turco teve um percurso característico, tendo ajudado os pobres e as crianças, oferecendo-lhes presentes e dinheiro. A sua generosidade deu origem à lenda segundo a qual ele visitaria a casa das crianças no dia 6 de Dezembro para lhes deixar presentes.

Mais tarde, as duas figuras foram associadas, embora apenas no século XIX é que tenha surgido uma imagem definida do Pai Natal. O norte-americano Clement Moore escreveu um poema em 1822 intitulado «Uma Visita de São Nicolau» em que descrevia em pormenor a figura e, desde então, tem sido essa a imagem utilizada: um velhote gordinho e alegre, que se desloca num trenó puxado por oito renas e entra em casa pela chaminé.

Um aspecto curioso da figura é que a cor definitiva dos trajes do Pai Natal é bastante mais recente do que se imagina e tem uma origem pouco ortodoxa. Nos anos 30 do século XX, a Coca-Cola contratou um publicitário para criar a imagem da marca para a campanha de Inverno. Deste modo, as cores da empresa ficaram associadas para sempre à figura do Pai Natal, o encarnado e o branco.

Os presentes de Natal já se tornaram um ritual obrigatório. E embora sejam apontados motivos religiosos para a oferta de prendas, ela tem raízes mais antigas. Em Dezembro, estando já passada a primeira metade dos rigores do Inverno, a celebração era pontuada por um grande consumo de alimentos. Como cada agricultor tinha uma especialidade própria, surgiu a tradição de trocar produtos, de forma a que todos pudessem consumir alguma variedade. Os romanos reforçaram este hábito, aumentando o volume e valor das ofertas. Mais tarde, os cristãos adoptaram este costume, simbolizando a oferta de presentes o altruísmo do ideal católico, patente nos presentes trazidos pelos Reis Magos ao Menino Jesus.

O presépio de Natal é uma tradição antiga, surgiu no século XIII, e ainda hoje se cumpre na maior parte dos lares. As primeiras imagens que representam a Natividade foram criadas em mosaicos no interior das igrejas e templos, remontando ao século VI. São Francisco começou a divulgar a ideia de criar figuras em barro que representassem o ambiente do nascimento de Jesus. O primeiro presépio foi construído por São Francisco, em 1224, tendo sido celebrada uma missa que foi descrita como tendo um ambiente verdadeiramente divino. A partir dessa altura, a ideia foi-se propagando para os conventos e casas nobres, onde as representações se tornavam cada vez mais luxuosas.

Os cartões de Natal são outro dos aspectos importantes da quadra natalícia e foram criados há relativamente pouco tempo. Foi um inglês, Henry Cole, que foi responsável pela criação desta forma original de enviar votos de boas festas pelo correio. A inovação surgiu devido à substancial redução que os custos do envio de correio sofreram em meados do século XIX. Desta forma, era acessível a todos o envio das felicitações. Embora a tradição religiosa tivesse demorado algum tempo a habituar-se a este costume, ele é bastante popular hoje em dia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quinta-feira, 26.11.09

O que é o Natal?

O Natal é a solenidade cristã que celebra o nascimento de Jesus Cristo. A data para sua celebração é o dia 25 de Dezembro, pela Igreja Católica Romana e, o dia 7 de Janeiro, pela Igreja Ortodoxa.

 
 

Após a celebração anual da Páscoa, a comemoração mais venerável para a Igreja é o Natal do Senhor e suas primeiras manifestações. Ainda sendo uma festa cristã, é encarado universalmente por pessoas dos diversos credos como o dia consagrado à reunião da família, à paz, à fraternidade e à solidariedade entre os homens.

 

Nas línguas latinas o vocábulo Natal deriva de Natividade, ou seja, referente ao nascimento de Jesus. Em inglês o termo utilizado é Christmas, literalmente "Missa de Cristo". Já na língua alemã, é Weihnachten e têm o significado "Noite Bendita".

 
 
Fonte: SAPO Saber
Artigo completo: aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quinta-feira, 26.11.09

Natal no Mundo

NATAL é uma festividade com características muito próprias, sendo celebrado de diferentes formas em diferentes países do mundo.
As tradições ou condicionalismos locais levaram a que o culto do Nascimento de Jesus Cristo fosse pontuado por diferentes situações. No entanto, nos últimos anos assiste-se a um predomínio cada vez maior das influências anglo-saxónicas nas tradições natalícias, que são cumpridas mesmo em países em que a religião cristã não tem forte imposição.
Nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha, as tradições natalícias são bastante semelhantes e têm alguns aspectos completamente distintos das celebrações portuguesas. Por exemplo, existe uma tradição muito antiga de fazer caixas de presentes nas quais são recolhidas oferendas, geralmente em dinheiro e que são depois distribuídas aos pobres no dia 26 de Dezembro. Embora essa tradição já não seja muito corrente, esse dia continua a ser feriado ("Boxing Day").
As cantigas de Natal que são cantadas pelas ruas e às portas são também uma outra forma de celebração usual nesta altura do ano. As Janeiras portuguesas são semelhantes, embora sejam só cantadas depois do início do ano novo, enquanto os norte-americanos e ingleses as ouvem durante toda a época natalícia.
Em França, a tradição dita que o Père Noel e o seu ajudante Père Fouettard distribuam os brinquedos de Natal. O ajudante do Pai Natal é especialmente temido pelas crianças, por ser ele a avaliar se o comportamento ao longo do ano merece uma recompensa ou uma punição. A tradição do tronco de Natal é também uma componente importante das celebrações naquele país, onde o "Bûche de Noel" é confeccionado e apreciado na Noite de Natal.
Em Espanha as celebrações do Dia de Natal limitam-se à festa familiar e a uma forte refeição. A troca de presentes está reservada para o dia 6 de Janeiro, altura em que os Reis Magos visitaram o Menino Jesus com as suas oferendas. As crianças têm o hábito de colocar os sapatinhos à janela com palha e cenouras para os cavalos dos Reis Magos que lhes trazem os presentes.
Na Holanda, Luxemburgo e Bélgica, a tradição diz que o Pai Natal ("Sinterklaas") vem de Espanha, de onde parte no dia 6 de Dezembro e distribui os seus presentes pelas crianças montado no seu cavalo. A designação do pai Natal nestes países passou para os Estados Unidos, onde o Pai Natal é referido como Santa Claus.
Nos países nórdicos europeus, a tradição do Pai Natal subsiste, embora não seja ele o responsável pela distribuição dos presentes às crianças. É antes um duende, que vive debaixo das casas e que recompensa os meninos bons e castiga os malvados, tendo observado as suas acções ao longo do ano.
Na Rússia, a tradição é bastante diferente. A distribuidora de presentes é Babouschka, e a lenda diz que ela se recusou a dar abrigo e comida aos Reis Magos quando estes se dirigiam a Belém. Ao saber o que fizera e para se redimir, Babouschka percorre as aldeias visitando todas as crianças e deixando-lhes prendas.
Na Austrália e Nova Zelândia, as tradições anglo-sáxonicas são seguidas, mas devido às diferenças climatéricas, o Natal é uma festa de Verão e que por isso não inclui muitas das celebrações associadas ao Inverno. Na China, a comemoração do Natal não é seguida pela maioria dos habitantes, uma vez que o país é essencialmente Budista. A festa de Natal é celebrada com árvores de Natal iluminadas, conhecidas como "árvores de luz" e as casas são decoradas com lanternas de papel. As crianças esperam o Pai Natal, conhecido por "Dun Che Lao Ren", e colocam meias perto da cama. Porém, a maior celebração local é o Ano Novo Chinês que acontece no fim de Janeiro. É nesta época do ano que as famílias costumam reunir-se, trocar presentes e servir pratos especiais.
Em Belém (Israel), a cidade onde Jesus Cristo nasceu, as comemorações natalícias têm um caráter particularmente ritualístico. Na noite do dia 24 de Dezembro, forma-se uma procissão em que sacerdotes vestidos com túnicas comandam longas filas formadas por milhares de pessoas que caminham pelas ruas estreitas da cidade. Levam berços de vime com a imagem do menino Jesus esculpida em cera e seguem para a capela de Santa Catarina onde é celebrada a missa da meia-noite. Peregrinos do mundo inteiro participam na procissão.
Em Itália o dia de Natal é dedicado quase que exclusivamente às cerimónias religiosas. Na véspera, os italianos jejuam e costumam reunir-se em volta do presépio para orar. Ao contrário de muitos países cristãos, a troca de presentes não ocorre na noite do dia 24 e sim no dia 6 de Janeiro, em lembrança à visita dos Reis Magos ao menino Jesus. As crianças não esperam o Pai Natal e sim a bruxa Befana que, segundo a lenda, vem pela chaminé e traz numa das mãos uma campainha para anunciar a sua chegada e, na outra, uma vara ou um pedaço de carvão para bater nas crianças desobedientes.

Ainda na Itália, as ceias de Natal variam de acordo com as regiões. Em Milão, por exemplo, as famílias costumam comer panettone, um bolo feito com fruta cristalizada. Na região do Vale do Pó, a refeição mais popular é tortellini, massa recheada com carne. No sul do país, o prato tradicional na noite de Natal é a enguia.
Na Suécia o Natal é diferente da maior parte dos outros países: começa a ser celebrado no dia 13 de Dezembro e as comemorações estendem-se até 13 de Janeiro. Esta longa comemoração teve início no país há cem anos, quando o rei Canute declarou que as festividades de Natal deveriam durar um mês. Na noite de Natal, a filha mais velha de cada família veste-se de branco com uma faixa vermelha à cintura e uma grinalda de folhas verdes a enfeitar o vestido. Na cabeça, sete velas acesas. Nestes trajes serve café e bolo a cada membro da família. As crianças suecas acreditam que os duendes saem das suas "casas" para entregar presentes.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

Pesquisar no Blog